domingo, 4 de outubro de 2009

Fauna de boteco

Um bom boteco ganha notoriedade pela fauna que se aboleta em seu regaço para molhar o bico e procurar a salvação para o mundo. E namorar, se der tempo. Os outros bares e lancherias do bairro, de forma pejorativa, se referem a ele como "o bar dos bêbados", como se a emborrachação ocorresse apenas lá. Mas não seria de todo errado afirmar que a concorrência esconde uma inveja do boteco pela riqueza humana encontrada em seu recinto – e pelo mistério que leva uma fauna tão rica e surpreendente a se reunir num lugarzinho apertado e sórdido.
Justo quando essa gente poderia muito bem ir a locais iluminados, aparentemente asseados, com televisão ligada em futebol full-time e que se nega a servir martelinho no balcão.

Todavia, a mais heróica fauna do boteco nem chega a ser humana, embora tenha potencial comprovado pra isso. Ela vive no local e do local, coisa que muito sujeito só não faz, porque o bodegueiro o varre para fora antes de fechar.

Sob a ótica da ciência, um ponto guarnecido por gatos não deveria ser infestado de ratos. Mas a lógica do conhecimento não encontra guarida no boteco. A natureza é sábia quando adapta o espírito da casa para as diferenças desse ecossistema. O gato desfila por baixo das mesas e senta-se no degrau da frente, roçando as pernas dos fregueses, enquanto os ratos andam por baixo do balcão e fazem a festa na despensa.

O rato de boteco é diferente dos seus parentes de outros lugares. É uma mutação surgida durante a Peste Negra, robustecida na Europa devastada, que migrou em navios portugueses e espanhóis para fazer a vida e engordar no novo mundo. O primeiro europeu a pisar nas margens do Guaíba não foi um nobre lusitano, mas sim um ratão que comandou um motim e tirou a embarcação do naufrágio na barra de Rio Grande. O que fez depois de ingerir quatro litros de rum. Cadê a estátua desse magnífico roedor?

Os ratos e o gato do boteco se respeitam numa tolerância reverente. O gato não incomoda os ratos em troca do direito de partilha nos ataques ao almoxarifado, ao lixo, à cozinha e aos pratos de petiscos. O mais cobiçado é a lingüiça calabresa que navega em azeite no mostruário de vidro em cima do balcão, ao lado do vidro de ovos roxos em conserva. Quando um freguês pede a calabresa, todos os animais da casa param em sinal de respeito, como se fizessem continência à bandeira nacional. Pode ser a última visita do sujeito ao boteco. Ou pior, muito pior, pode ser a última calabresa da casa. O que mais se deseja é que sobre um pedaço e que ele seja jogado no lixo, onde será feito um banquete romano.

As baratas, que funcionam como batedores nos espaços mais remotos e inacessíveis do boteco, metem-se nas frestas em busca de sinais alvissareiros. Na possibilidade de algum manjar ser descartado, os machos abrem a porta do freezer para que os ratos roubem a cerveja, enquanto o gato faz a guarda. O gato cobra caro por este serviço, e já foi visto pegando ficha em reunião dos AA.

Restam os cachorros sobreviventes. Se há um gato se lambendo na porta, há ratos e baratas jogando pôquer lá nos fundos. Os cachorros atravessam a rua e desviam o olhar do boteco arrepiados de medo. Já ouviram falar do ritual de passagem daqueles ratos para a vida adulta. O candidato precisa devorar um poodle e cuspir a coleira sem que a bicha na outra ponta da corrente perceba. O clima ficou mais tenso quando começaram a aparecer focinheiras mastigadas na calçada...

(Publicado em http://www.muffuletta.com.br/ em 2008)

4 comentários:

  1. Acho que eu vi um gatinho..eu vi sim!!

    ResponderExcluir
  2. Um boteco sem lingüiça calabresa navegando num oceano de azeite e sem vidro de ovos roxos em conserva não é um estabelecimento de respeito. Parabéns, Alemão. Crônica supimpa.

    ResponderExcluir
  3. Funerária em anexo, gerenciada pelo apontador do Jogo do Bicho.

    ResponderExcluir
  4. Bela descrição do Paraíba, na Duque, pertinho do Tutti.Baita texto, mestre Bier!

    ResponderExcluir